Especial Dia das Mães: Palavra de avó (Parte 1)

Avós são presentes que recebemos.

Por um lado, são as realizadoras de desejos dos netos: sempre prontas para preparar o quitute mais gostoso, para se engajar na brincadeira mais absurda, para deixar comer aquela bolacha fora de hora.

Por outro lado, avós são cuidadoras naturais. Elas estão sempre a postos para dar uma mão na hora do aperto, são sempre a primeira pessoa para quem uma mãe recorre na hora de pedir conselhos sobre os filhos. Afinal, avós nunca deixam de ser mães.

A figura das avós também é superimportante na perpetuação da memória familiar — com seus “causos”, lembranças e histórias repletas de símbolos. É um carinho incondicional que influencia de maneira muito positiva a relação da criança com os demais membros da família.

Diz o ditado que pais educam e avós deseducam. Porém, se conferirmos a entrevista da recepcionista Clotilde de Fátima Sales Figueiredo, mãe de Patrícia (39) e avó de Matheus (5), comprovaremos que avós, definitivamente, nunca pecam pela falta de amor.

Não deixe de conferir nos próximos dias o depoimento da mamãe Patrícia e do pequeno Matheus.

OMO - Qual é a principal diferença entre ser mãe quando a Patrícia nasceu e agora?

Fátima - Não faz diferença. Minha filha, mesmo com 39 anos, continua sendo uma criança para mim. Eu cuido dela como eu cuidava antes. A única diferença é que, depois que cresce, as necessidades dela ficam diferentes.

OMO - Qual é a maior diferente entre as crianças de ontem e de hoje?

Fátima - Os meninos agora são mais espertos. O mundo está se desenvolvendo muito e a criação mudou também. Na época em que eu tive a Patrícia era bem diferente, as crianças obedeciam mais. Agora elas estão mais autoritárias, enfrentam mais.

OMO - Quais eram seus medos e sonhos em relação à sua filha? E em relação ao seu neto?

Fátima - Não há grandes diferenças. Mãe quer sempre o que é melhor pra filha, então pro neto é a mesma coisa nesse sentido, não muda nada. Os medos são os mesmos e eu penso muito no futuro dele, ainda mais com tantos problemas que a gente vê no mundo hoje, como drogas e essas coisas.

OMO - O que é melhor, se é que isso pode ser decidido: ser mãe ou ser avó?

Fátima - Avó é mãe duas vezes. Sabendo educar, tanto faz ser mãe ou ser avó. Nos dois casos a gente tem que dar o melhor, e não tem nada a ver com dinheiro. A gente tem que dar o melhor que está em primeiro lugar, o amor.

Então, sabendo compreender, entender, amar, passar pelos momentos difíceis, não é difícil, tanto faz ser mãe ou ser avó. Todos os dias eu cuido do meu neto de manhã antes de ele ir à escola e não é incômodo nenhum, é um prazer.

OMO - Deixe uma declaração de amor para sua filha e para seu neto

Fátima - O Mateus é o maior amor da minha vida, o maior presente que Deus me deu na vida. O meu amor por ele é tão grande que não tem nem como explicar. Espero que ele saiba retribuir esse amor com amor também.

Agradeço a Patrícia por ser uma filha maravilhosa, a única que Deus me deu. Agradeço por ela ser uma filha que se preocupa tanto com os pais e com a família. Agradeço a ela por ter tido o Mateus. Minha riqueza no mundo é ela e o Mateus.