Especial Dia das mães: Palavra de mãe (Parte 2)


 

Nós poderíamos começar este post dizendo que mãe é isso, mãe é aquilo. Mas a verdade é que existem diferentes tipos de mãe, e que cada uma tem seu jeito de cuidar dos filhos e demonstrar seu amor por eles. 

Dizem que o tipo de mãe que uma mulher se torna tem muito a ver com o estilo de mãe que ela mesma teve. E que uma avó é mãe duas vezes, exercendo na criação do neto um amor importante para a valorização dos laços de família, porém com um estilo bem diferente do que quando era só mãe!

De qualquer jeito, em qualquer geração, mães demonstram amor, cuidado com a educação, instinto materno, abertura para mudança e muita felicidade.

Confira abaixo a entrevista com a bancária Patrícia Fabiana Sales Figueiredo, filha de Fátima,  com quem conversamos essa semana. Ela relembra como era sua mãe na infância e conta como isso influencia sua relação com Matheus, seu filho de 5 anos.

OMO - Qual é a maior diferença entre a infância do seu filho e a sua?

Patrícia - Eu acho que as brincadeiras são bem diferentes, pois na minha infância eu brincava muito na rua, no quintal. Hoje em dia as crianças brincam bastante no computador. O lado ruim é que eles perdem um pouco com essas limitações. Por outro lado, eles também têm muito mais acesso às informações do que eu na minha infância.

OMO - Sua mãe é diferente como avó?

Patrícia - Completamente diferente. Na minha infância, ela era muito rígida com a minha educação e também não brincava comigo. Acredito que seja pela responsabilidade de educar. Hoje em dia, como avó, ela brinca no chão, joga bola, futebol de botão, enfim, todas as brincadeiras que ele quiser. Realmente minha mãe nem parece a mesma mãe de quando eu era criança... Ela faz tudo o que ele quer... rs.

OMO - É verdade que avós estragam os netos?

Patrícia - Um pouco, pois minha mãe, deixa ele fazer muitas coisas que eu como mãe não deixaria. Mas, ao mesmo tempo, quando eu o coloco de castigo, ela não tira minha autoridade. Às vezes eu ameaço ela e meu pai em colocar eles de castigo...rs.

OMO - Em que momentos você age como a sua mãe?

Patrícia - Com relação à minha mãe na minha infância, eu quase não tenho o mesmo comportamento, pois a minha mãe não era muito de conversa. Mas eu converso bastante e coloco de castigo.

OMO - Quais são seus medos e sonhos em relação ao seu filho?

Patrícia - Meus medos com relação ao mundo das drogas, o que eu mais faço hoje é rezar e pedir a Deus que deixe meu filho longe. Estou dando muito amor, carinho e base em valores para que isso não ocorra.

Meus sonhos são para que ele seja um homem de bem, trabalhador e com valores sempre presentes em sua vida (fazer bem ao próximo, família, honestidade etc.).

OMO - Deixe uma declaração de amor para sua mãe e seu filho.

Patrícia - Mãe, antes da maternidade eu tinha um pensamento. Hoje sou mãe e compreendo todas suas preocupações com a minha educação, e meu amor por você aumentou mais ainda. Você para mim é a verdadeira mulher-maravilha. Te amo muito.

Filho, eu achava que era feliz, mas depois que você nasceu, descobri a verdadeira felicidade. Ser sua mãe é tão maravilhoso, tanto quanto respirar. Eu amo você tantão, você é a razão do meu viver.